quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Cuidado com esses gajos.


Antes de continuar só gostava de dizer ao JG que, por acaso, o Zezinho não me fez nenhum tipo de admoestação. Mas bem que podia acontecer. Quanto ao gasóil, também não se trata disso. É só uma questão de falta de tempo. E também porque não tive nenhum click nos últimos dias que me fizesse vir até cá partilhar algo convosco. Como ultimamente só o menino Cristiano é que tem espaço de intervenção em Portugal, o click não foi despertado.

Mas houve click quando ouvi o nosso cardeal patriarca a dizer para as meninas: "Cautela com os amores. Pensem duas vezes em casar com um muçulmano, pensem muito seriamente, é meter-se num monte de sarilhos que nem Alá sabe onde é que acabam".

Não me venham dizer que o senhor José Policarpo foi muito corajoso ao fazer estas declarações. O senhor que o referiu pode saber muito mais do que acerca do assunto do que eu, mas nem todos os muçulmanos são terroristas e fanáticos.

Podem até existir casos extremos, mas ninguém toma a decisão de casar (ainda mais com uma pessoa de uma religião diferente) de ânimo leve. É uma coisa pensada. E tudo deve ser pensado antes. Até a possibilidade de ter que visitar um país diferente do nosso, com ideologias diferentes. Não tem tudo que ser um desenho trágico, tal como o nosso cardial o pintou.

Quer'me parecer que o senhor Policarpo, depois de já ter dito aquilo, ainda quis meter um bocadinho de 'água na fervura', ao dizer que é necessário conhecermos o outro para poder dialogar com ele. E não há dúvida disso. É necessário compreensão dos dois lados. E se partirmos do pressuposto de que todos os muçulmanos são fanáticos e acham que só a religião deles é a certa, o diálogo nunca vai ser possível.

Saudações Tasqueiras :)

12 comentários:

DANTE disse...

Cá para mim já saiu mas foi algum muçulmano pela cu...latra. heheheh

Um abraço Tasqueiro

Inês Brito disse...

Por muito católica que uma pessoa seja acho que é dificil ter credibilidade num gajo chamado 'Policarpo'.

Bj,
(i)

pepita chocolate disse...

Estas declarações foram proferidas um pouco de ânimo leve, eu acho...Não nos apaixonamos por quem queremos...Mas em tempos que as religiões deviam estar em consonância para a paz, apenas se criam batalhas que poderão guerras maiores...

jg disse...

Será que as vítimas (ás centenas?) de violência doméstica, ou seja, gajas que levaram arraiais de trolha e foram parar ao hospital e outras que foram direitinhas para a cova, em Portugal, eram casadas com muçulmanos?!

Alexa disse...

É como eu digo...ás vezes mais vale estar calado...Mais uma desilusão q eu apanhei. Enfim...
Bjs

Suzanna disse...

Oh, estava à espera de ver aqui umas morcelas de arroz penduradas e dou com mais um: "cuidado com o borrego"?

Oh, balha-me Alá... Ou Deus... Ou Buda... Ou Krishna... Ou... Errr... uma tasca?

*

tinta permanente disse...

Também eu não estava lá muito disposto a dar bola ao tema da semana e, eis senão quando, D. José Policarco pôs a praça em alvoroço!...
Com o Médio Oriente em pano de fundo, não foi admiração nenhuma que as fileiras, de ambos os lados, se cerrassem e serrassem!
Não vou repetir o óbvio, mas apenas deixar uma observação: se porventura a coisa aquecer demasiado, ao ponto de, em qualquer próxima oportunidade, o Cardeal voltar a assunto explicando o que não tem explicação, ou seja, por um tudo nada de água benta na fervura, não será pior a emenda?
Como diz o povo, a palavra é como a flecha: depois de lançada...

abraço, amigo!

Miguel disse...

São daquelas coisas para as quais não encontro explicação. É de uma irresponsabilidade atroz!

Saudações da tola!

Capitão Merda disse...

Está visto que ele não é em condições de fumar uns charros...

Taxi Driver disse...

E de pensar que era uma das hipóteses para a nomeação de Papa... Espera! E de pensar, que o Papa provavelmente pensará exactamente a mesma coisa...
Espera...
Então... diálogo entre religiões? Qual diálogo entre religiões?

Amil Neila disse...

LOL, vocês são crentes. Nos dois sentidos... Abraços, Adérito!!

Álvaro disse...

É por causa da figadeira delas, que as chamussas são um veneno